Tag Archives: Anarquismo

Antinomia #22: Coronavírus – Contexto internacional

Em dezembro de 2019, uma nova epidemia surgiu. A Covid-19 apareceu pela primeira vez no mercado de frutos do mar em Wuhan, na província de Hubei (China), causando mortes e apreensão por sua rápida proliferação. De lá a doença se espalhou para Europa e para outras partes do mundo e recentemente chegou ao Brasil. O cenário de incerteza causado pelo Coronavírus é até agora imprevisível, tem ocorrido ações inconsequentes de governantes, bem como a solidariedade do povo e de organizações anarquistas. Para saber mais como lidar com a quarentena, aperte o play!

Nos escute no Megafono | Spotify | Apple podcast | Outros agregadores

Quer conhecer outros materiais anarquistas sobre a Covid-19? Tem esse que o pessoal do CrimethInc desenvolveu que é brutal! Clica na imagem e confere!

Antinomia #17: A rua em disputa

Já faz alguns anos, vemos a direita realizando uma série de manifestações de rua buscando disputar esse espaço que tradicionalmente era ocupado pela esquerda. Nesse episódio, discutimos essa disputa, como o movimento anarquista usou as ruas como instrumento de luta em 1917 e como os movimentos sociais de hoje enfrentam os poderes do capital e do Estado. Vem com a gente!

Disponível online em: Megafono | Spotfy | Apple Podcast

Encontros e experiências no Rio de Janeiro

A Biblioteca Terra Livre e o Laboratório de Educação Anarquista iniciaram 2019 com uma visita ao Rio de Janeiro. A viagem teve como objetivo duas atividades de lançamento do livro ilustrado “A flor”.O primeiro lugar que nos recebeu com muito carinho, no sábado 12.01, foi a Roça, espaço comunitário na favela do Morro do Timbau – complexo da Maré, que veio a existir em meados de 2010 com a proposta de trabalhar coletivamente e em autogestão na distribuição de produtos de pequenos agricultores agroecológicos e produtos naturais e com isso ganhar um certo grau de autonomia. A Roça também dedica sua energia a um cineclube e uma pequena biblioteca para as crianças da região.

O primeiro passo do dia foi, ao fim da tarde, montar a exposição dos tecidos bordados a mão que deram origem as ilustrações do livro em questão. Essa movimentação chamou a atenção de algumas crianças que moram por perto e logo havia uma boa turma, de idades diversas, para participar da atividade. Na calçada da lojinha da Roça foi improvisado um canto de leitura e ali mediamos alguns livros, dentre eles “A flor”. Partindo da leitura e da exposição dos bordados originais, conversamos um pouco sobre a história do livro e seu processo de produção. Aguçada a curiosidade sobre o bordado, mostramos as linhas e as agulhas e partimos para a oficina. Nela, as crianças e adultos puderam experimentar essa linguagem e criar, a partir das linhas, seus próprios bordados com temas variados. Foi muito especial poder conhecer essas crianças e contribuir um pouquinho nesse trabalho sério desenvolvido pela galera da Roça. Por fim ainda tomamos algumas das deliciosas cervejas produzidas por elas e eles. Valeu demais Roça!!! Pra quem não conhece vale dar uma olhada no site https://roca-rio.com/ e quando estiver no RJ já sabe um lugar foda pra colar e somar.

Já no domingo dia 13.01 quem nos recebeu com o mesmo carinho foi a Casa Cultural Formiga Preta, no complexo do Alemão. O espaço busca descentralizar e okupar seja com a biblioteca comunitária, plantio ou atividades em eventos ou mutirões, buscando autonomia e transformação.

O dia na Formiga Preta começou cedo, com a arrumação de parte do acervo da biblioteca comunitária seguida de um delicioso almoço. De barriga cheia começamos a mexer com linhas e agulhas de crochê e logo estávamos prontos para a oficina. Montada a exposição, reunimos o pessoal numa sala (dessa vez apenas adultos, diferentemente do dia anterior) e falamos sobre a produção do livro “A flor” e também do projeto editorial do LEA e da BTL. Partimos então para a mão na massa e todo mundo bordou um bocado. O dia terminou tarde, com roda de jongo, capoeira e coco. Foi mais uma experiência animal de cooperação que nos inspirou muito para continuar o nosso corre. Valeu demais Formiga Preta!!! Tá aí mais um lugar pra fortalecer no RJ!

Nessa viagem ainda deu pra colar e trocar ideia com o pessoal da Escola Quilombista Dandara dos Palmares, da Biblioteca Fábio Luz e do Espaço Outrx.

Voltamos pra SP cheios de força e inspiração.

Valeu camaradas!

A Luta na Educação para a construção da Autonomia c/ Eduardo Antônio Bonzatto no CCS às 19h

2019 completam 110 anos da morte do educador anarquista Francisco Ferrer y Guardia, uma das grandes figuras da educação anarquista e pedagogia libertária. Por isso, a Biblioteca Terra Livre, realizará uma série de atividades ao longo do ano, lembrando de sua história, luta e, principalmente, o sonho de um mundo livre de hierarquias, exploração e opressão da classe trabalhadora e de toda a humanidade.

Para este primeiro encontro, chamamos o professor Eduardo Antônio Bonzatto, onde pretende refletir sobre diversas questões da sociedade brasileira atual, tendo como ponto de partida a educação. Para tanto, irá discutir as dificuldades de ser educador nos tempos atuais, mas também apontar a alegria que sentimos quando percebemos o aumento de nossa realidade, isto é, de nossa força interna e capacidade para agir. Já a tristeza, seria o que sentimos ao perceber a diminuição de nossa realidade, de nossa capacidade para agir, o aumento de nossa impotência e perda da autonomia. Bonzatto acredita que a solução da educação passa necessariamente pelos papéis desempenhados por professores e estudantes que não devem ser hierárquicos, sob nenhuma hipótese, principalmente aquela que ainda defende a necessidade do conteúdo, já que sua mediação é a própria hierarquia. Para a escola cumprir seu papel no tempo histórico atual precisa produzir transformação social, criar uma nova sociedade pautada pelos princípios: respeito, solidariedade, cooperação, singularidade.

E para lembrar das influências da pedagogia racionalista de Ferrer, leia o texto “Guerra Civil Espanhola e as Crianças” de Bonzatto.

Local: CCS-SP. Rua General Jardim, 253, sala22.

Quando: 23/01/2019

Horário: 19h