Sobre o Coletivo

HISTÓRIA

Em 2004, alguns militantes anarquistas envolvidos nas lutas anticapitalistas em São Paulo, fundaram o Coletivo Anarquista Terra Livre. O projeto inicial consistia em divulgar o anarquismo por meio de atividades como o Colóquio Internacional História do Movimento Operário Revolucionário (2004) e a I Feira Anarquista de São Paulo (2006). O grupo publicou a revista Protesta! que realizava análises de conjuntura numa perspectiva radical e propunha novas reflexões práticas e teóricas no campo libertário. Após a publicação de 5 edições o Coletivo se restruturou e, em 2009, em conjunto com outros grupos autônomos, fundou o Espaço Ay Carmela!, centro político-cultural autônomo no centro da cidade. O projeto do Terra Livre passou a ser a constituição de um Centro de Documentação Anarquista. Com o objetivo de preservar e difundir a memória do anarquismo no Brasil e no mundo e incentivar as lutas do presente, surgiu a Biblioteca Terra Livre! Em Outubro de 2010, a Biblioteca mudou sua sede para um espaço independente a fim de viabilizar seus projetos. A partir daí, iniciou-se, de maneira regular, grupos de estudos, atividades públicas de difusão do anarquismo, catalogação dos materiais (livros, revistas, jornais, videos, etc.) e mostras de filmes.

ACERVO

O acervo é constituído, prioritariamente, por materiais anarquistas e sobre movimentos libertários do Brasil e do mundo. Foi formado à partir de arquivos pessoais de militantes, doações de editoras, grupos e simpatizantes. Há também publicações de cunho político-social radical nas áreas de história, ciências sociais e literatura. A Biblioteca possui, atualmente, mais de 2000 livros. Reúne centenas de revistas, jornais, cartazes, panfletos, fanzines, filmes e materiais de áudio-visual, caracterizando-se como um acervo multimídia. Queremos constituir um acervo vivo que gere debates, conversas, reflexões, textos e outras formas de expressão estimuladas pela leitura. Pretendemos construir coletivamente um espaço focado no desenvolvimento do pensamento crítico e no subsídio para a ação coletiva e política. Desejamos ser um arquivo que reúna a produção atual dos grupos e movimentos políticos e sociais autônomos e libertários, fazendo um trabalho de registro da memória dessas ideias e práticas. Contamos com colaboração de todos que queiram doar ou depositar seus documentos, produções e materiais para que se mantenha atualizado o acervo de material contemporâneo. Por fim, nosso objetivo é promover a possibilidade de apropriação e produção de conhecimento coletivo. Acreditamos que a compreensão do mundo e o pensamento crítico de orientação libertária pode gerar a transformação radical da sociedade que desejamos rumo à Liberdade e à Igualdade. Por isso, acreditamos na autogestão e na ação direta de caráter coletivo e social. Os interessados em consultar ou retirar livros podem cadastrar-se como usuários pessoalmente ou por email. A circulação das obras varia conforme a sua raridade e seu estado de conservação.

CATALOGAÇÃO

O processo de catalogação do acervo é realizado de maneira coletiva, por meio de mutirões. Utilizamos um programa desenvolvido especialmente para a Biblioteca Terra Livre, um software livre em código aberto, que permite o registro online e simultâneo de livros. O programa está disponível para uso dos interessados no endereço:
https://github.com/marciomr/BAU
O catálogo da Biblioteca está hospedado solidariamente no servidor do coletivo Saravá e pode ser consultado pelo site:
https://bau.sarava.org/bibliotecaterralivre

DIGITALIZAÇÃO

Pretendemos iniciar um processo de digitalização e publicização de materiais raros de nosso acervo, desde cartazes e panfletos até livros completos e jornais antigos. Acreditamos que a difusão e a divulgação de materiais anarquistas é a maior garantia da preservação de nossa memória.

GRUPOS DE ESTUDOS

Os Grupos de Estudos ocorrem quinzenalmente na sede da Biblioteca e abordam os seguintes temas:

Anarquismo e Educação: tem por objetivo compreender as diversas práticas pedagógicas anarquistas ao longo da história a fim de fomentar novas propostas e experiências no campo da educação. Atualmente o grupo dedica-se a debater o ensino racionalista e as Escolas Modernas no Brasil.

Movimento Operário Autônomo: pretende problematizar as práticas de organização dos trabalhadores na atualidade, buscando na história do sindicalismo e nas teorias anarquistas as bases para sua interpretação.

Geografia e Anarquismo: busca compreender as aproximações entre esta área da ciência e os ideais anarquistas pelo estudo das obras de Élisée Reclus e Piotr Kropotkin. Em 2011, o grupo dedicou-se exclusivamente à leitura de Reclus, visando a realização do Colóquio Internacional Élisée Reclus e Geografia do Novo Mundo. Neste ano, se iniciará um novo ciclo de leituras e estudos.

Anarquismo e História: a proposta é estudar os autores clássicos do anarquismo em suas análises históricas, com a perspectiva de procurar elementos para a formação de um olhar anarquista sobre a História.

DIFUSÃO

A Biblioteca difunde os ideais anarquistas por meio de atividades públicas e gratuitas de diferentes naturezas:

Debates: promove debates e discussões sobre temas ligados ao anarquismo em espaços, como escolas, universidades, centros culturais autônomos, entre outros. Alguns dos temas: o voto e as eleições; importância educativa de espaços autônomos; o papel das bibliotecas e centros de documentação anarquistas; pedagogia de Reclus e Kropotkin.

Lançamentos de Livros: eventos em parceria com editoras e autores a fim de divulgar e debater a produção de escritos anarquistas, clássicos e contemporâneos.

Seminários: como uma forma de socializar as discussões dos grupos de estudos. Em 2011, o Grupo de Estudos Movimento Operário Autônomo promove a série de seminários sobre Anarquismo e Sindicalismo.

Colóquios: mantendo suas origens, em conjunto com a Editora Imaginário, promove Colóquios Internacionais para difundir o anarquismo no Brasil. Em dezembro de 2011 realizou em conjunto com o GEOPO-USP e com o apoio da Editora Imaginário, o Colóquio Internacional Élisée Reclus e a Geografia do Novo Mundo, na cidade de São Paulo.

Mostra de Filmes: como forma de valorizar a memória e as lutas do movimento anarquista realiza projeção de filmes seguida de debate temático. Ocorreram vídeo-debates sobre a Comuna de Paris, Francisco Ferrer y Guardia, Educação Anarquista, Sacco e Vanzetti e movimentos populares e autônomos contemporâneos na América Latina e no mundo.

Registro e Divulgação: na medida do possível os seminários e debates são registrados em áudio ou vídeo e disponibilizados pelo site para que mais interessados tenham acesso às recentes reflexões de uma perspectiva anarquista.

FEIRA ANARQUISTA

Nos anos de 2006 e 2011 a Biblioteca Terra Livre organizou a Feira Anarquista de São Paulo. A Feira tem por objetivo reunir coletivos, organizações e indivíduos anarquistas afim de difundir o ideal e de compartilhar as diversas experiências. Para o ano de 2012 a previsão é de que a Feira seja realizada no mês de Novembro. Coletivos interessados em estar presentes na Feira entrem em contato.

CINECLUBE

Em 2011, o Cineclube Terra Livre iniciou suas atividades com mostras semestrais de sessões mensais, sempre públicas e gratuitas, seguidas de debate. Com o objetivo de resgatar parte da história do cinema que foi escamoteada por muitos anos, apresenta produções cinematográficas anarquistas ou com temáticas libertárias. Criou assim um espaço permanente de reflexão e discussão sobre a estética anarquista e a utilização da linguagem do cinema para expressar o seu ideal.

“Anarquistas” O Cineclube Terra Livre retoma suas atividades em 2012 em um novo espaço. Com a mostra intitulada “Anarquistas”, que apresenta filmes biográficos sobre anarquistas históricos, a Biblioteca Terra Livre e o CCS – Centro de Cultura Social, promoverão a exibição de quatro películas entre os meses de março e junho. A sessão inaugural da mostra conta com o filme “Louise Michel, a rebelde“, já a segunda sessão traz o filme “A Última Estação“, que retrata os últimos dias do anarquista cristão Tolstoi. A terceira sessão traz a história do jovem anarquista catalão “Salvador (Puig Antich)“, executado pelo regime franquista. E a sessão de encerramento da mostra apresenta o documentário “Ethel MacDonald” que retrata a história da anarquista escocesa que combateu durante a Revolução Espanhola (1936/39).

Mostras anteriores.

EDITORA

No ano de 2011 a Biblioteca Terra Livre iniciou seus trabalhos editoriais. Os dois primeiros títulos (Escritos sobre Educação e Geografia / Élisée Reclus: Retratos de um anarquista) foram publicados ao longo do Colóquio Internacional Élisée Reclus e a Geografia do Novo Mundo realizado no mês de dezembro. Para o ano de 2012, centenário de fundação da Escola Moderna n°1 de São Paulo, a editora está preparando dois títulos sobre pedagogia.

Os títulos estão disponíveis para a venda e podem ser encomendados através do email: bibliotecaterralivre[a]gmail.com

BOLETIM

Editamos semestralmente um boletim informativo da Biblioteca Terra Livre registrando a memória e difundindo nossas atividades e produções. Buscamos assim estabelecer contato direto com os associados e demais interessados, bem como, ampliar nossa rede de relações com outros grupos.

ASSOCIAÇÃO E APOIO FINANCEIRO

A Biblioteca não conta com nenhum subsídio ou apoio institucional seja do Estado ou de empresas privadas. Nosso projeto é auto-financiado e autogestionário, ou seja, os recursos financeiros necessários para a existência do projeto provém do apoio e da solidariedade dos associados e doadores no Brasil e no mundo. Os associados são os companheiros e companheiras que contribuem com uma quantia, mensal ou anual, de acordo com suas possibilidades. Para associar-se e ajudar a manter a Biblioteca Terra Livre basta entrar em contato por email e realizar depósito na seguinte conta bancária.

001- Banco do Brasil
Agência 3560-2
Conta Poupança 22.536-3
Variação 51

Também são muito bem-vindas doações de livros, assinaturas de jornais e revistas libertários, etc.

LIVRARIA

Outra forma de arrecadação para sustentação das atividades e manutenção da sede é resultado da venda de materiais (livros, jornais, filmes, etc) de cunho libertário em eventos ou pelo correio.