Homenagem ao centenário da morte de Neno Vasco

Há exatos 100 anos, o socialismo, o movimento operário e, especificamente, o anarquismo perdia um dos seus mais importantes militantes, Neno Vasco. Sua produção é vasta, diversificada e extensa, pois Neno escrevia desde peças teatrais, artigos de opinião, pesquisas históricas e teóricas sobre o anarquismo e sindicalismo revolucionário, até poemas e traduções em diversas línguas. Sua importância foi fundamental para o desenvolvimento do movimento anarquista tanto no Brasil quanto em Portugal.

Neno Vasco, pseudônimo de Gregório Nazianzeno de Moreira Queiroz e Vasconcelos, nasceu em Penafiel em 1878. Entre idas e vindas, suas atividades militantes junto ao movimento anarquista e operário transcorreram entre Brasil (1901-1911) e Portugal (1911-1920). Esteve à frente importantes periódicos de São Paulo, como O Amigo do Povo (1902-1904), e de Lisboa, como A Sementeira (1908-1919). Pouco inclinado à ação pública, Neno Vasco contribui mais como um propagandista do que como um ativista. Por meio da palavra escrita, destacou-se em inúmeras frente de luta no vasto horizonte libertário: na criação de uma estratégia sindicalista revolucionária, no engajamento com a causa anticlerical, na construção de uma tribuna antimilitarista, na preocupação com a emancipação feminina, na luta pela pedagogia libertária, dentre outras. Tais ações colaboraram para conferir o “tom anarquista” que caracterizou o movimento operário dos dois lados do Atlântico. Vitimado por uma tuberculose, Neno Vasco faleceu em 1920, com apenas 43 anos, na cidade de São Romão do Coronado.

Para homenagear esse importante militante anarquista, a Biblioteca Terra Livre, o Instituto de Estudos Libertários e a Livraria Ambulante Comuna de Patos reuniram uma série de textos contando um pouco sobre a vida, a obra e as reflexões desse que foi um dos mais célebres anarquistas de língua portuguesa.

Esperamos ter feito um trabalho à altura de sua importância. Boa Leitura!

PDF para a Brochura do centenário da morte de Neno Vasco, clique aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *