All posts by Vanderleia

Boas Festas – Isabel Cerruti

O natal é uma data que evidencia ainda mais a desigualdade social: poucos tem muito, muitos tem nada. Assim recordamos o artigo da anarquista brasileira Isabel Cerruti, escrito em 26 de dezembro de 1933 e publicado em A Plebe, que nos convida a refletir sobre o tema.

Que um dia os produtos do trabalho sejam repartidos de igual modo entre todos.

Biblioteca Terra Livre

Boas Festas

Resido no centro da cidade. E quem reside no centro da cidade, mais do que quem reside nos bairros, é que vê, em abundância, a dolorosa miséria dos deserdados de tudo, na sociedade presente.

Como não havia nada a fazer estive à janela a tarde do dia de natal. Via passar crianças alegres, cada qual exibindo os presentes de papai Noel… Crianças felizes, cujos pais ganham salários suficientes para honrar botar o tal papai Noel. Em outras, quiçá, cujos pais fizeram, talvez, sacrifícios para presentearem os filhinhos diletos, e vê-los sorrir ditosos, ao menos uma vez por ano, nesta data alvissareira, crentes de que “nem só de pão vive o homem…”

E é bem certo esse adágio. Como o nosso coração de idealista se expande na solidariedade dessa felicidade infantil! Pois bem nos lembramos, também, de quando éramos pequeninos, e a lembrança, somos gratos aos nossos queridos pais, quando nos faziam felizes presenteando-nos com um brinquedinho…

Da minha janela, absorvida nesses pensamentos, além de crianças e pessoas felizes, eu via passar, também, velhos maltrapilhos e crianças imundas, dessas para as quais o Natal nunca sorri, nem o papai Noel nunca se lembra. Pobres infelizes deserdados de tudo…

Duma casa, vizinha à minha, feliz, onde a criançada folgava à roda de espalhafatosa árvore de Natal, gozando os mais lindos e custosos presentes e saboreando as mais apetitosa as guloseimas, saiu correndo para a rua, a gozar um pouco de liberdade, aproveitando-se da distração dos donos, um lindo cachorrinho Lulu, trazendo à boca uma grande fatia de saboroso bolo de natal. Mas, por sinal, o animalzinho de estimação já estava farto demais, pois apenas chegado no passeio largou no chão a fatia de bolo, apenas mordidas numa pontinha.

Pensei comigo mesma: quantos lares sem pão, e quantas crianças, haverá hoje, que se sentiriam felizes com essa fatia de bolo que esse irracional bem tratado desprezou no meio da rua.

Nem bem concluir meu pensamento e vejo surgir dois garotos de uns sete a oito anos, um, e de dez a doze anos outro, trazendo ambos à tira colo, a caixinha de engraxates, sujos, maltrapilhos e mal nutridos.

Ao avistarem a fatia de bolo atirado no solo, atiraram-se ao mesmo avidamente, disputando-o. Afinal, de bom acordo, resolveram reparti-lo e lá se foram a caminho, juntos os dois, alegres pelo achado, comendo sofregamente aquela fatia de bolo amarelinha e sedutora, que um cãozinho de estimação havia largado no chão, farto de alimento e de gulodices.

A vista dessas coisas conjecturei comigo mesma: para que servirá a “Cruzada pró Infância” a “Liga das Senhoras Católicas” e outras instituições, quejandas que se propõem, todas elas, a proteger a infância e a defender-lhe o direito?…

Qual! O problema da miséria é insolúvel dentro da sociedade burguesa. Só mesmo quando os miseráveis se decidirem fazer justiça por suas mãos, estabelecendo o direito de todos trabalhar e gozar à farta o produto do trabalho -; teto, alimentação e roupa – do bom e do melhor para todos, é que a infância será de fato garantida em seus direitos: instrução, alimentação, folguedos, gulodices e brinquedos, para todos sem distinção.

Isa Ruti

São Paulo, 26/12/1933

Agenda 2018

Pedidos realizados até 31/12 sairão por R$20 com frete grátis! Nos mande uma mensagem ou e-mail:

livrariaterralivre@gmail.com

Clique aqui algumas páginas!

Comprando nossos materiais você contribui para que nosso projeto continue ;)

PicNic da Biblioteca Terra Livre! Domingo dia 17!

Amigas e amigos!

Domingão do dia das mães passou e depois de um dia debatendo política num lindo almoço familiar, ouvindo sobre o ato revolucionário que são os panelaços, discutindo o quão gato o pref é, calculando o quão possível é um milhão de verde-amarelistas na paulista e tantos outros assuntos divertidíssimos a Biblioteca Terra Livre surge com uma ótima notícia:

Domingo que vem é domingo de picnic!!!

11218519_438456256329126_8270503480114467332_n

As atividades:

Bate bola com o pessoal do Rosa Negra Ação Direta e Futebol

Contação da história A Cura, pelo Laboratório de Educação Anarquista

Comida:

Autogestão pessoal, cada um leva o que quer/pode, de preferência vegetariana ou vegana!

O parque disponibiliza água potável, mas quem quiser leva um suquinho!

Pode levar cão, o bofe, a companheira ou a vó e o filho, a gente só pede pra não fazer uso das dorgas ilícitas (isso inclui umas biritas) perto do PicNic pra não nos trazer problemas!

Mapa do local exato, clique aqui.

Link do evento no facebook aqui.

Se chover considerem o evento cancelado.

 

Nos vemos domingo!

Organização Interna do Acervo

Contamos com mais de 3.000 livros em nosso acervo, além de jornais, revistas, zines, teses, material audiovisual e cartazes. Para organizar nossos livros realizamos ao longo dos anos diversos mutirões públicos utilizando uma base de dados online, o BAU. Infelizmente, devido a problemas técnicos, perdemos parte deste trabalho e voltamos quase a estaca zero nesse processo tão importante de tornar a Biblioteca mais acessível.

Para este ano colocamos como prioridade trabalhar com nosso acervo, porém dessa vez o processo é muito mais complicado e estabelecemos uma outra forma de organização que exige menos pessoas e mais concentração. Portanto decidimos trabalhar só com as/os integrantes do coletivo, para chegar a um resultado efetivo e definitivo.

Esperamos ter o quanto antes nosso material catalogado para que possamos abrir nossas portas!!!

Enquanto isso continuamos nos vendo nas atividades e na luta!

IMG_20150418_181240

Piquenique Existe Política Além do Voto

DSC03476

Neste primeiro turno das eleições realizamos no Parque da Juventude um piquenique como parte da Campanha Existe Política Além do Voto repleto de atividades, criando uma alternativa ao domingo de eleição.

Historicamente piqueniques são atividades organizadas por anarquistas para compartilhar um espaço de lazer e descanso não alienante e que possibilitavam troca de experiências tanto políticas como pessoais num ambiente descontraído.

Realizamos um jogo de futebol aberto, contação de história e uma roda de jongo. As fotos podem ser vistas aqui.

Agradecemos a participação de todas as pessoas e esperamos nos encontrar em breve! Que venham tantos outros piqueniques!!